Emigração vs Imigração

Por Joana Gorjão Henriques
04.02.2012 – 23:03

Só um dos entrevistados aceitou dar a cara. A maioria diz que em Angola “não há liberdade de expressão” (Foto: Gianluigi Guercia/AFP)
Uma nova vaga emigratória escolhe Angola como destino. É incentivada pelo Governo a fugir da crise em Portugal. Faz o percurso inverso dos que partiram nos anos 1960, chegando a um país onde a liberdade de expressão é limitada, a corrupção é endémica e as opiniões políticas ficam dentro de casa.

Há quem tenha visto o El Dorado, mas sublinhe que a vida em Angola está longe de ser o retrato cor-de-rosa que alguns pintam.
Das dezenas de horas de conversas que tivemos ao longo dos últimos quatro meses publicamos sete histórias de portugueses que trabalham ou trabalharam num país em construção. É uma parte da fotografia que não chega à praça pública, não é a preto-e-branco e implica tomar decisões nem sempre óbvias.

Da amostra de trabalhadores em diversas áreas – construção, consultoria, engenharia, ambiente ou advocacia – apenas um, apoiante do regime, não se importou de revelar a identidade. Aos outros, por razões de segurança, omitimos o nome. Porque em Angola “não há liberdade de expressão”, diz a maioria. E o medo de retaliação ainda é grande. O PÚBLICO conta a emigração em Angola pelo discurso directo de quem a conhece.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: